Mestrado Integrado em Medicina na Faculdade de Medicina da UCP

As candidaturas para o Mestrado Integrado em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade Católica Portuguesa estão abertas até…
Partilhar
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

As candidaturas para o Mestrado Integrado em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade Católica Portuguesa estão abertas até ao dia 01 de junho.
Como é o processo de candidatura?
O processo de candidatura tem quatro etapas:
1. Até dia 01 de junho – Submissão da candidatura online: Preenchimento dos dados pessoais e informação académica provisória. Nesta fase, basta indicar as notas previstas e esperadas.
2. Até dia 06 de junho – Preenchimento do portefólio online: Após validação das candidaturas, tens até 72 horas para responder em inglês às quatro questões que constituem o portefólio.
3. De 04 a 16 de julho – Participar obrigatoriamente nas minientrevistas: Estas decorrem em inglês e presencialmente na Faculdade de Medicina.
4. De 01 a 10 de agosto – Submissão dos documentos e notas finais: Este é o último passo da candidatura, quando tens de submeter todos os documentos finais (exemplos: ficha ENES, certificado do ensino secundário, certificado comprovativo do nível de Inglês).
Porquê a Faculdade de Medicina da Universidade Católica Portuguesa?
O Mestrado Integrado em Medicina da Católica apresenta um conjunto de características diferenciadoras que o tornam único e inovador. Destaque-se: Único curso de Medicina em Portugal lecionado em língua inglesa; Módulos funcionais e verdadeiramente integrados entre si; Ensino de competências clínicas desde o 1.º dia; Ensino centrado no aluno, com a utilização da metodologia Problem-Based Learning (PBL) – pequenos grupos tutoriais, com cerca de 10 alunos, nos quais os alunos têm de lidar com problemas do “mundo real”, traçar os seus próprios objetivos de aprendizagem e conduzir a investigação de cada caso, sob supervisão do Tutor; Rácio de 2 alunos por médico nas rotações clínicas e estágios; Forte componente de formação em competências (comunicação, procedimentos clínicos e interpretação de imagem); Envolvimento dos alunos em projetos de investigação.

Agrupamento